sábado, 27 de março de 2010

ASSOCIAÇÃO DO ARTESANATO,PARTICIPA DA I MOSTRA OESTE DE TURISMO RN





A Associação do Artesanato Mossoroense,participou na noite no ontem no Memorial da Resistência da I Mostra Oeste de Turismo RN.Na ocasião seus produtos foram expostos no "hall dos Heróis".Estiveram presentes entidades ligadas ao turismo oestano,como também representantes de nove cidades que fazem o pólo Costa Branca.A Mostra contou ainda com a participação de grupos folcloricos e culturais.

sexta-feira, 26 de março de 2010

MOSSORÓ SEDIA A I MOSTRA DE TURISMO DO RN

Com o objetivo de divulgar as potencialidades turísticas de Mossoró e dos municípios da macro região e investir em novas modalidades de turismo alternativo a empresa Braavo Turismo e Eventos realiza a I Mostra Oeste de Turismo. O evento acontece a partir de hoje, 26, e é fruto de uma parceria com a Prefeitura Municipal de Mossoró, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Norte, Sebrae. Na ocasião dez municípios que compõem a macrorregião Oeste potiguar exibirão seus atrativos turísticos. "O nosso principal objetivo é fazer a região se mostrar através da sua gastronomia, recursos naturais, cultura e culinária. Durante essa mostra esses municípios permitirão que centenas de pessoas conheçam suas potencialidades e despertem o interesse de visitá-las", ressaltou o idealizador e realizador da mostra, Pedro Carvalho Júnior.

O evento acontece no Memorial da Resistência. A abertura da I Mostra Oeste de Turismo será iniciada às 17h, com a explanação de palestras. Às 19h, no mirante do Memorial, será servido um coquetel aos convidados. Das 20 às 22h, haverá apresentação cultural. Os municípios terão direito à exposição e comercialização de comidas regionais na Mostra de Gastronomia, bem como espaço na Mostra de Artesanato e Mostra de Apresentações Culturais.

Um dos destaques do evento é a Mostra Acadêmica, direcionada aos alunos universitários, que poderão assistir a duas palestras, sendo uma com João Paulo, da Rede Cearense de Turismo Comunitário, que abordará o Turismo Comunitário, e outra com Mairton França, professor universitário e Gerente Executivo da Gestão Ambiental de Mossoró, que discorrerá sobre Turismo e Meio Ambiente.

Pedro Carvalho destaca a importância do evento, visto que essa iniciativa é uma oportunidade única, pois é o primeiro evento do ramo de grande porte realizado na região. "Pretendemos gerar uma regionalização dos municípios e da população. Proporcionando aos mossoroenses conheçam melhor as cidades circunvizinhas", explica.

Conforme o organizador, a mostra visa à fomentação do turismo da macrorregião Oeste, bem como aprimoramento de um ramo de turismo alternativo de custos reduzidos, uma vez que os recursos turísticos já estão à disposição. A proposta é ampliar suas vertentes de divulgação através da interação das cidades envolvidas.

A cadeia produtiva do turismo, como hotéis, bares, restaurantes, casas noturnas, agências de viagens, universidades, imprensa e a população em geral poderá, através da Mostra de Turismo, ampliar seus conhecimentos sobre este ramo. Além disso, apreciar particularidades de cada cidade.

O evento é aberto ao público. No entanto, para participar das palestras, é necessária pré-inscrição. Os interessados poderão requerer a inscrição na agência Braavo, localizada na avenida Presidente Dutra, nº 870, no bairro Alto de São Manoel. A taxa de inscrição é um quilo de alimento não-perecível, podendo ser feita até as 12h de amanhã ou no local do evento.

CORREDOR CULTURAL 2010


Amanhã dia 27 de Março acontecerá a segunda semana de exposição de Artesanato e comidas típicas dentro do Corredor Cultural.Até que em fim nos colocaram em um local justo.Estamos agora em frente ao Memórial da Resitência.Visite-nos!

FESTA DO ARTESANATO MOSSOROENSE






No último dia 19 de Março no Espaço Cultural Arte da Terra,a Associação do Artesanato Mossoroense(AMO)comemorou o dia do Artesão.Na ocasião,reunirão-se artesãos da associação e seus parceiros.Foi distribuído brindes aos presentes.E como não podia faltar,tivemos o nosso "bolo" deu pra comer,repetir e levar pra casa(rsrsrs).Obrigado a diretória desta associação e aos parceiros e patrocinadores.Um obrigado especial a Vra.Cláudia Regina por estar sempre a disposição quando solicitada por esta associação. E VIVA AO ARTESÃO MOSSOROENSE!!!

sexta-feira, 19 de março de 2010

19 DE MARÇO DIA DO ARTESÃO

O artesão é um eterno artista, um arquiteto, um operário, um engenheiro… Alguém que transforma, que enfeita… Que recolhe, que recicla.

Não é por coincidência que neste mesmo dia se comemora o Dia do Carpinteiro – Dia de São José, o mais famoso “carpinteiro”, que soube passar com afinco e humildade a arte e o ofício ao filho: o Menino Jesus. Sendo assim, São José é o padroeiro dos carpinteiros e dos artesãos.

Essa diversidade cultural, essa criatividade que impulsiona tanto o carpinteiro, o marceneiro que trabalham apenas com a madeira, quanto o artesão, que busca nos pedaços de madeiras, ferros, plásticos, objetos em geral, uma forma de expressar arte.

Esse dia surge como uma forma de homenagear àqueles que vêm representando, ao longo do tempo, a beleza e a arte do povo brasileiro.

A arte como sustento

Por trás da beleza das peças e objetos confeccionados, está a busca pela sobrevivência, muitos artesãos, principalmente as mulheres, adquirem o sustento da casa por meio de peças de crochês, de panos de pratos, toalhas, bordados, costuras, enfim, utilidades ou enfeites que passam a ser produtos de consumo.O Carpinteiro

O carpinteiro é o profissional que atua geralmente na construção de habitações e estruturas de madeira. O marceneiro trabalha com arte, dando forma às madeiras mais nobres.

Durante muito tempo, o carpinteiro foi um dos profissionais mais requisitados, pois do seu trabalho dependiam vários ofícios: os móveis da casa, os carros de bois ou puxados a cavalos, as ferramentas agrícolas de madeira, entre outros.

Os artesãos

Os artesãos são pessoas com talentos especiais, eles são artistas operários, que participam de todo o processo do trabalho, até da comercialização, cujo resultado será para manter a si e a sua família.

O artesanato é uma atividade universal, que se diferencia no modo de fazer, no material empregado e nas formas ou padrões empregados em cada época e região.

Hoje, o artesanato tem o conceito mundial de arte popular e é considerado o patrimônio cultural de uma nação. Assim sendo, é essa arte simplista que registra a trajetória de uma época, de um lugar, de um povo. Por meio dela é que se reconstrói a história das civilizações.

domingo, 14 de março de 2010

ARTESANATO

Artesanato é o conjunto de objetos utilitários e decorativos para o cotidiano do homem, produzido de maneira independente, usando matéria-prima em seu estado natural e/ou processada industrialmente.

O artesanato brasileiro serve como fonte de renda para milhares de famílias em todo país. Segundo o Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), ligado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a atividade artesanal é responsável por 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB). Em outras palavras são cerca de 8,5 milhões de pessoas que, em suas cadeias produtivas, movimentam recursos da ordem de 28 bilhões por ano. Os números são compreensíveis visto que, num país repleto de criatividade, o artesanato é a saída para o desemprego e, muitas vezes, a porta de entrada de gente comum no mundo dos negócios.

O fato é que o artesanato e as técnicas manuais estão ganhando mercado e servindo de fonte de renda para milhares de pessoas. Centenas de artesãos descobriram que nossa arte é criativa e de bom gosto, sendo muito bem aceita em outros países e neste sentido podemos observar que exportar é uma forma de conseguir bons lucros e valorizar o artesanato brasileiro e em especial o Paraibano. Todos ganham: empregos são gerados, a economia cresce e dólares entram no país.

Para quem trabalha com artesanato, o Exporta Fácil, dos Correios, é a melhor ferramenta para vender à mais de 200 países sem burocracia. O processo é simples: basta levar a mercadoria com nota fiscal, a qualquer Agência dos Correios, preencher um formulário padrão e enviar, para melhores informações dirigir-se até os correios.

Artesanato indígena - Objetos produzidos no seio de uma comunidade indígena, por seus próprios membros. Resultam em sua maioria de uma produção coletiva, incorporada ao cotidiano da vida de diversas etnias, prescindindo da figura do artista ou do autor.

Artesanato tradicional - Conjunto de artefatos expressivos da cultura de um determinado grupo, representativo de suas tradições e incorporados a sua vida cotidiana. Sua produção é em geral de origem familiar ou de pequenos grupos que vivem em um mesmo território, o que favorece a transferência de conhecimentos sobre técnicas, processos e desenhos originais. Sua importância e seu valor cultural decorrem do fato de ser depositário de um passado, de acompanhar histórias e tradições transmitidas de geração em geração, de fazer parte integrante e indissociável dos usos e costumes de um determinado grupo.

Artesanato de referência cultural - Produtos que se caracterizam pela incorporação de elementos próprios da região onde são produzidos. Resultam de uma intervenção planejada de artistas e designers, em parceria com artesãos, com o objetivo de diversificar produtos e, ao mesmo tempo, resgatar ou preservar seus traços culturais representativos.

Artesanato conceitual contemporâneo - Objetos produzidos por pessoas com alguma formação artística, resultante de um projeto deliberado de afirmação de um estilo de vida ou afinidade cultural. A inovação é o elemento principal que distingue este artesanato das demais categorias. Por detrás destes produtos existe sempre uma proposta, uma afirmação sobre estilo de vida e valores, muitas vezes ligados ao movimento ecológico e naturalista.

Alimentos típicos - Os produtos alimentícios típicos são, em geral, produtos processados segundo métodos tradicionais, em pequena escala, muitas vezes em família ou por um determinado grupo. Apesar de serem produzidos artesanalmente, são atendidos em forma conjunta com outros programas como "alimento seguro", "boas práticas de manufatura", "consultoria tecnológica", etc.

Trabalhos manuais - Trabalhos que exigem destreza e habilidade, porém utilizam moldes e padrões pré-definidos e muitas vezes desvinculados da cultura de um lugar. Os objetos não resultam de um processo criativo efetivo, mas da reprodução e cópia de padrões de uso universal.

Produtos semi-industriais e industriais - Produtos feitos em grande escala, em série, com utilização de moldes e formas, máquinas e equipamentos de reprodução, com pessoas envolvidas e conhecedoras apenas de partes do processo. O apoio do SEBRAE à produção deste tipo, esta contemplada dentro dos programas setoriais e industriais correspondentes.

Tipologia de produtos artesanais - É a classificação do artesanato em função da matéria-prima utilizada. As matérias-primas podem ser de origem mineral, vegetal ou animal, podendo ser utilizadas em seu estado natural, depois de processadas artesanalmente/industrialmente ou serem decorrentes de processos de reciclagem/reaproveitamento. Para cada matéria-prima principal derivam práticas profissionais que resultam em tipologias de produtos específicas, com suas respectivas técnicas, ferramentas e destinações.

Matéria-prima predominante - Se refere àquela matéria-prima que tem maior presença no produto artesanal terminado, ver Tipologia no parágrafo acima.
Categorias do Artesanato

Arte Popular

* Produção de peças únicas
* Arquétipo
* Compromisso consigo mesmo
* Fruto da criação individual

Artesanato

* Produção de pequenas séries com regularidade
* Produtos semelhantes, porém diferenciados entre si
* Compromisso com o mercado
* Fruto da necessidade

Trabalhos manuais

* Produção assistemática
* Reprodução ou cópia
* Ocupação secundária
* Fruto da destreza

19 DE MARÇO DIA DO ARTESÃO

Artesão, o artista que através das mãos conta a história de um povo Instituído no mesmo dia em que se festeja o dia de São José Carpinteiro, o dia do artesão surge como uma forma de homenagear àqueles que vêm representando, ao longo do tempo, a grande diversidade e efervescência cultural e criativa do povo brasileiro

No próximo dia 19 de março milhares de artesãos de todo o país irão comemorar o Dia do Artesão. Instituído no mesmo dia em que se festeja o dia de São José Carpinteiro, o dia do artesão surge como uma forma de homenagear àqueles que vêm representando, ao longo do tempo, a grande diversidade e efervescência cultural e criativa do povo brasileiro, e que também são responsáveis por impulsionar a economia em pequenas comunidades país a fora.

Tecelagem, cerâmica, bordados, rendas, pinturas, nós, crochê e tricô, entre tantas outras técnicas são replicadas, misturadas e reinventadas pelos artesãos. Valorizar esse profissional significa reconhecer sua importância de cidadão, e ao mesmo tempo de artista e empreendedor. Ele é base de uma atividade econômica em que atuam milhões de brasileiros.

A produção artesanal está distribuída em todo Brasil e apoiar a cadeia produtiva é fomentar a geração de trabalho e renda de maneira descentralizada, com impacto social. Das mãos do artesão surge uma expressão cultural que perpetua nossos valores e história. Dados oficiais não atualizados informam que no Brasil existem 8,5 milhões de artesãos, movimentando anualmente R$ 28 bilhões.

Porém acredita-se que estes números estejam defasados, e que atualmente, mais de 11 milhões de pessoas trabalhem com artesanato, gerando uma receita em torno de R$ 37 bilhões anuais. O que faz dessa atividade uma grande alternativa para a inclusão social e o desemprego em nosso país. É uma das mais ricas expressões culturais de um povo, o artesão utiliza cores de sua paisagem, faz referências às suas imagens prediletas, inspira-se na fauna e flora que está ao seu redor, retrata tipos humanos e costumes.

Com sensibilidade, perícia e cuidado, o trabalho artesanal é executado pelas mãos que modificam a matéria utilizando insumos disponíveis e técnicas de produção típicas da sua localidade. Desde os primeiros tempos a habilidade do artesão é de grande importância para a sobrevivência do ser humano. Polir a pedra, fabricar utensílios com o barro, tecer suas roupas com as próprias mãos, fez com que o homem superasse todas as dificuldades para viver em todas as épocas da história.

Essa importância chega até os dias de hoje, uma vez que o trabalho artesanal continua sendo transmitido de pai para filho, ou em escolas e cursos especializados, fazendo com que muitas pessoas sobrevivam única e exclusivamente do artesanato. Além de emprego, o crescimento em números, fez surgir novos negócios, e oportunidades. E também abriu grande espaço para o artesanato e seus profissionais na mídia. Há um grande número de publicações dedicadas exclusivamente a esse segmento.

Alguns jornais também trazem uma seção de passo a passo para seus leitores, e os programas femininos veiculados na televisão passaram a ter em suas pautas um quadro de artesanato. Seu enorme sucesso em todas as mídias abriu as portas para programas exclusivos. Além dos ótimos números, o artesanato traz muitas histórias e exemplos de superação e sucesso, a descoberta e criação de novas técnicas, a história e a cultura de cada região do Brasil, de outros povos e países, e muita arte.

O artesão conquistou lugar de destaque ao conservar as tradições, e fazer com que elas sejam transmitidas de geração em geração, contribuindo assim para o desenvolvimento das comunidades mais longínquas do país. O artesanato também está inserido na atividade turística, e nos últimos anos vem sendo agregado à moda, cresceu em qualidade e quantidade, e é crescente nas exportações.

Está consolidado no Brasil, e se tornou marca registrada do país no exterior. Pessoas anônimas, espalhadas em capitais ou no interior sobrevivem à base da arte que produzem. Muitos desistiram de tentar um emprego fixo, estável, para tirar o sustento do seu próprio talento. O artesanato é uma das formas mais espontâneas de expressão do povo brasileiro.

Em todas as partes do país, é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local. Essa diversidade torna o artesanato brasileiro rico e criativo. O artesanato conseguiu ampliar seu mercado obteve do consumidor maior respeito e valorização para esse tipo de trabalho e seus profissionais. Há muito que comemorar, e muito mais a conquistar.

quarta-feira, 3 de março de 2010

UM TOUR NA TERRA DA LIBERDADE


<

Junho, julho, setembro e dezembro são os meses de realização dos principais eventos em Mossoró. No entanto, não precisa esperar pelo período festivo para visitar a cidade

O corredor cultural, localizado no centro de Mossoró ao longo da Avenida Rio Branco, é o melhor ponto de partida para se conhecer a cidade. É nele onde estão a Praça de Eventos, a Estação das Artes Elizeu Ventania, o Museu do Petróleo e o Teatro Municipal Dix-Huit Rosado.

A Estação das Artes funciona no antigo prédio da Estação Ferroviária. Administrada pela Fundação de Cultura, leva o nome de um dos mais populares artistas de Mossoró e do Rio Grande do Norte: o violeiro Elizeu Ventania, compositor do lamento nordestino e do lirismo. A Estação homenageia filhos ilustres, batizando as salas com seus nomes. O Auditório Jornalista Dorian Jorge Freire é destinado a palestras e seminários; a Biblioteca Professor Vingt-un Rosado, a única do Estado com acervo somente de escritores norte-rio-grandenses, e a Galeria de Artes Marieta Lima, um espaço para exposições.

Ao lado funciona o Museu do Petróleo, o único do País que conta a história do ´ouro negro´. No Museu do Petróleo, além de conhecer mais sobre a Petrobras, o visitante encontra material interessante. Maquetes, fotos, filmes e equipamentos mostram a história do petróleo no Rio Grande do Norte. ´Muitos turistas ficam impressionados em saber que uma cidade do interior do Rio Grande do Norte é responsável pela maior produção de petróleo em terra do País´, conta o guia do museu, Márcio Moura Takagi.

Próximo ao Museu do Petróleo fica o Teatro Municipal Dix-Huit Rosado, com 740 lugares e uma das mais modernas estruturas de casas de espetáculos. Partindo para a Avenida Alberto Maranhão, a parada é na Igreja de São Vicente, palco da batalha histórica entre o povo de Mossoró e o bando de Lampião, no dia 13 de junho de 1927. Durante o duelo, o prefeito da época, Rodolpho Fernandes, e seus homens afugentaram os cangaceiros que aterrorizavam o Nordeste.

Durante a batalha, os cangaceiros Coxete e Jararaca foram capturados. Segundo guias locais, os homens de Rodolpho Fernandes obrigaram Jararaca a cavar sua sepultura. A resistência do povo mossoroense ao bando de Lampião deixou marcas de balas na Igreja de São Vicente, que podem ser vistas até hoje, 80 anos depois.

O episódio virou a peça teatral ´Chuva de Bala no País de Mossoró´, encenada anualmente no mês de junho, no adro da Igreja de São Vicente, uma das principais trincheiras da resistência na época. Próximo à igreja pode ser visitado também o Palácio da Resistência, sede da Prefeitura Municipal.

O episódio sobre a resistência se encerra no Cemitério São Sebastião, onde foi enterrado o corpo do cangaceiro Jararaca (José Leite de Santeiro). Há quem diga que Jararaca é considerado milagreiro. Seu túmulo recebe visitas de pessoas em busca de graças o ano inteiro.

Outros atrativos

A Catedral de Santa Luzia, templo religioso que deu origem à cidade de Mossoró, é outro atrativo de importância histórica que deve ser visitado. Dona Rosa Fernandes, esposa do fundador de Mossoró, Antônio de Souza Machado, foi a idealizadora da construção da capela, em 1772, por motivo de uma promessa feita à protetora dos olhos. Todos os anos, no dia 13 de dezembro, a população festeja a padroeira.

Em frente à igreja fica a praça Vigário Antônio Joaquim. Nela está edificada a estátua de Jerônimo Dix Sept Rosado, mossoroense, governador do Estado do Rio Grande do Norte, falecido em desastre aéreo em 1951, quando se dirigia ao Rio de Janeiro, para tratar de assuntos do seu governo.

Outro praça digna de ser visitada, principalmente à noite, devido a bela iluminação, é a Praça Rodolpho Fernandes. Fontes que jorram água e um coreto transparente chamam atenção. A praça já ficou conhecida nacionalmente por estampar um dos blocos de abertura do Programa do Jô, da Rede Globo.

Já para os que gostam das tradicionais lembrancinhas, o Espaço Arte da Terra, na Avenida Presidente Dutra, é o local ideal. Artesanatos de argila pintado nas cores preto e branco são destaques. Eles representam, respectivamente, o petróleo e o sal, as principais riquezas do município. Miniaturas de cangaceiros em barro e bisqui são alguns dos produtos mais vendidos.

Principais festas

Mossoró Cidade Junina, com o espetáculo ´Chuva de Bala no País de Mossoró´
De 12 a 29 de junho

Festa do Bode
De 25 a 27 de julho

Festa da Liberdade
Dia 30 de setembro, com o espetáculo ´Auto da Liberdade´, encenado por mais de 400 integrantes

Festa de Santa Luzia
De 3 a 13 de dezembro

Saiba Mais

A cada 30 de setembro, os mossoroenses saem às ruas para festejar o aniversário da libertação de seus escravos, que se deu em 1883, cinco anos antes da Lei Áurea.

Em 1927, Mossoró resistiu ao ataque do bando de Lampião.

Mossoró tem o jornal mais antigo do interior do Brasil, O Mossoroense, fundado em 17 de outubro de 1872.

Em Mossoró, a professora Celina Guimarães Viana tornou-se a primeira eleitora brasileira, em 1927.

A água que abastece a cidade é mineral e chega às torneiras com temperatura de aproximadamente 50 graus.

Mossoró é a segunda cidade do Rio Grande do Norte e a maior produtora terrestre de petróleo do Brasil.

A região de Mossoró é a maior produtora de sal marinho do País, respondendo por aproximadamente 95% da produção nacional.

Kiko Barros
Repórter

Desde o último dia 23 de Fevereiro a ASSOCIAÇÃO DO ARTESANATO MOSSOROENSE(AMO)esta em um dos corredores do MOSSORÓ WEST SHOPPING e ficará neste,até o dia 07 de Março.Contamos com a sua visíta.