quarta-feira, 26 de maio de 2010

MOSSORÓ CIDADE JUNINA 2010


Associação do Artesanato Mossoroense(AMO) presente na festa junina

A Associação do Artesanato Mossoroense(AMO)participa da programação do Mossoró Cidade Junina, participando da festa com barracas e oficinas artesanais na Praça de Eventos. Estarão presentes aproximadamente sessenta artesãos com diversas tipologias, predominando o tema do cangaço.

Também na praça de eventos estará sendo oferecido aos visitantes um barracão com aproximadamente vinte micro empresários comercializando uma grande variedade de comidas típicas regionais. O espaço conta ainda com a participação de um Trio de Forró para animar a festa.

“Registramos nosso agradecimento a Funger pelo apoio que tem dispensado aos artesãos mossoroenses em todos os eventos culturais” salientou o Presidente da Associação do Artesanato Mossoroense, Heuber Fernandes Filgueira.

A presidente da Funger Izabel Montegro diz que a Fundação “sempre esteve ao lado dos artesãos mossoroenses e não seria diferente no período junino. É nosso objetivo mostrar aos visitantes nossas artes manuais e propagar aos artesãos uma forma de aumentar sua renda familiar com eventos desta natureza”

O RIBEIRA DAS ARTES DE MOSSORÓ



Postado Por:
Hilneth Correia |
25/05/2010 - 08:00
http://www.nahorah.net/index.php

NO Mossoró West Shopping, através da parceria firmada com a Associação do Artesanato Mossoroense (AMO), realiza mais uma edição da Feira de Artesanato, que acontece mensalmente nas dependências do empreendimento.

A exposição dos produtos, que faz parte do programa de responsabilidade social do Shopping, segue até o próximo domingo, 30.

A Feira de Artesanato do Mossoró West Shopping beneficia diretamente 48 artesãos das mais diversas tipologias do artesanato local. Entre elas, destaque para os artigos que remetem ao Cangaço, e a tipologia Preto e Branco, referente ao sal e petróleo, produtos que destacam Mossoró no cenário nacional.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

JORNAL DE FATO 19 de Maio de 2010

Artesãos contrários à cobrança de taxa
Paulo Sérgio Freire
Da Redação

Os artesãos de Mossoró estão em pé de guerra com a Fundação de Geração de Emprego e Renda (FUNGER). A insatisfação é decorrente da decisão por parte da Fundação de cobrar dos artesãos taxas no valor de R$ 80,00 (artesanato) e R$ 120,00 (comidas típicas), referente à permanência para exposição dos mesmos durante o período junino na Praça de Eventos do Corredor Cultural de Mossoró, localizado na Avenida Rio Branco, Centro.
Na tarde desta terça-feira, 18, a Associação Mossoroense de Artesãos (AMO) discutiu o assunto em reunião ocorrida no auditório da Estação das Artes Eliseu Ventania, a reunião, inclusive, contou com a participação da presidente da Funger, Isabel Montenegro. "Não aceitamos a cobrança dessa taxa, alguns artesãos não tiram nem isso no dia, como faríamos com transporte e alimentação que é custeado por nós?", indaga Ana Lúcia Fernandes, artesã integrante da coordenação de feiras e eventos da (AMO).
A insatisfação dos artesãos parece ter surtido resultado. Durante o encontro com Isabel Montenegro (o De Fato tentou falar com a presidente, mas não obteve sucesso), ficou definido que as taxas seriam revogadas, conforme adiantou o presidente da (AMO), Helber Filgueira, "a presidente da Funger se comprometeu em não cobrar taxa, que ficaria inviável para todos nós", justificava Helber. Ao todo, a (AMO) possui 96 artesãos cadastrados. A exposição do trabalho desenvolvido por eles já ocorre dentro da programação do Mossoró Cidade Junina há onze anos. No entanto, com essa cobrança, os artesãos ameaçam não participar da exposição extra da Praça de Eventos. "A taxa do período junino é algo novo, nunca existiu essa cobrança antes, não entendo como querem incentivar a arte da terra se cobram taxas para isso", indaga Ana Lúcia.

GAZETA DO OESTE Mossoró-RN 19 de Maio e 2010

Artesãos não irão pagar as taxas do 'Cidade Junina'

Artesãos da Associação do Artesanato Mossoroense (AMO), vendedores de comidas típicas e representantes da Funger e da Gerência de Cultura participaram ontem à tarde de reunião, no auditório da Estação das Artes Elizeu Ventania para discutir a cobrança de taxa para participação dos artesãos e vendedores durante a programação do Mossoró Cidade Junina 2010 (MCJ 2010).
Segundo Heuber Fernandes Filgueira, presidente da Associação do Artesanato Mossoroense, em reunião realizada dia 14 de maio, a Funger havia informado que a taxa para cada artesão expor na Praça de Eventos durante MCJ 2010 seria R$ 80,00 e R$ 120,00 para cada vendedor de comidas típicas. Porém, conforme Heuber, a maioria dos artesãos não tinha como pagar a taxa.
O impasse criado pela cobrança da taxa aos profissionais na edição do MCJ 2010 foi encerrado ontem à tarde, durante a reunião na Estação das Artes. "Depois de negociações com a presidente da Funger, Izabel Montenegro, nós conseguimos extinguir a taxa, pois os artesãos não têm condições de pagá-la. Muitos deles são pessoas humildes e vão para o Mossoró Cidade Junina pelo lado social", afirmou Heuber, comentando que durante o evento, há uns que vendem muito, outros menos.
Izabel contou que diante das dificuldades apresentadas pelos artesãos e vendedores de comidas típicas, a Funger decidiu não cobrar mais taxa. "Todos os anos eles tinham participação gratuita e neste ano tentamos cobrar taxa, mas de forma sensível nós dispensamos as taxas, diante dos relatos dos artesãos e vendedores", disse a presidente da Funger, acrescentando que também não será cobrada taxa aos artesãos de outras cidades.
Para Salete Gomes, 52, vendedora de comidas típicas, a não cobrança da taxa é positiva. "Por mim pagaria uma taxa tranquilamente, mas o valor era muito caro. Pagaria no máximo, R$ 50,00. Mas, o não pagamento da taxa é melhor, mesmo que hajam menos investimentos nas barracas", disse Salete.
O presidente da Amo ressalta que o Mossoró Cidade Junina é uma oportunidade para os artesãos demonstrarem os trabalhos, venderem os produtos e que na edição do ano passado, 96 artesãos participaram. "Atualmente temos 96 artesãos e qualquer profissional que queira se associar pode entrar em contato com a Amo, através dos telefones 8834-5018 e 9606-7981", disse.
Salete conta que em 2009, primeiro ano que trabalhou durante o MCJ, conseguiu ter bastante lucro. "Todo dia estava vendendo muito, comprando mais mercadoria de boa qualidade, comprando material, louça e descartáveis. Entrei de cabeça no evento e cresci", relatou.
Na edição 2010 do MCJ, os produtos de artesanato e as comidas típicas serão expostos e vendidos na Praça de Eventos, todas as quintas, sextas-feiras, sábados e domingos durante o Mossoró Cidade Junina, às 18h.
"Iremos disponibilizar estandes, como espécie de feiras, com comidas típicas e artesanato. Os estandes serão decorados, com mesa, toalhas e segurança. Haverá ainda na Praça de Eventos show de humor e apresentações de repentistas", informou Montenegro.
Conforme a presidente da Funger, na Praça de Eventos haverá ainda a Festa da Colheita para pessoas das comunidades rurais de Mossoró e exposição de produtos dos agricultores familiares. "Haverá ainda na Praça concurso de maquetes, estande reservado para Gerência de Turismo para fornecimento de informações e orientações aos turistas e estande com um salão onde são ofertados gratuitamente serviços de manicure, penteados e maquiagem relativos às festas juninas", acrescentou Izabel.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

PERSEGUIÇÃO AOS ARTESÃOS MOSSOROENSES

NO ANO DE 2007 A FUNGER ORGÃO DA PREFEITURA DE MOSSORÓ PARA GERAR EMPREGO E RENDA,REUNIU OS ARTESÃOS MOSSOROENSES NO HOTEL VILA OESTE PARA UMA DISCURSSÃO SOBRE A"REVITALIZAÇÃO DO ARTESANATO MOSSOROENSE" DURANTE UM LONGO PERÍODO DE REUNIÕES E DISCUSSÕES,FOI REVITALIZADA A (AMO)ASSOCIAÇÃO DO ARTESANATO MOSSOROENSE,CRIADA EM 2001.SEMPRE COM O APÓIO DA FUNGER E DEPOIS COM MAIS PARCEIROS QUE FORAM SE SOMANDO AO PASSAR DO TEMPO,COMO POR EXEMPLO O SEBRAE,BANCO DO BRASIL,UERN E EMATER.A ASSOCIAÇÃO FOI SE SOLIDIFICANDO E CRIANDO VIDA PRÓPRIA.AINDA NA GESTÃO DE SEBASTIÃO ALMEIDA,FOI DOADO A ESTA ASSOCIAÇÃO DEZ KIOSQUES PARA QUE PUDESSEMOS FAZER NOSSAS PRÓPRIAS FEIRAS.ESSE INSENTIVO FOI FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DA(AMO).COMO TAMBÉM SEMPRE HOUVE POR PARTE DA FUNGER INSENTIVO AOS ARTESÃOS E AOS QUE FAZEM COMIDAS TÍPICAS NO TOCANTE A ABRILHANTAR O EVENTO "MOSSORÓ CIDADE JUNINA",POIS O REFERIDO ORGÃO TEM A REAL CIÊNCIA DA INPORTÂNCIA CULTURAL E SOCIAL DA NOSSA CONTRIBUIÇÃO PARA O EVENTO,OU TINHA? POIS DESDE 2009 SIMPLESMENTE NOS VIROU AS COSTAS,JÁ NO EVENTO DESCRITO ANTERIORMENTE,NOS COLOCARAM EXPRIMIDOS DENTRO DE STANDS DE 6 MTS,ENQUANTO TRAZIAM ARTESÃOS DE OUTROS ESTADOS E MUNICÍPIOS E A ELES ERAM DADOS STANDS UNITÁRIOS.FOMOS TAMBÉM RETIRADOS DE TODOS OS EVENTOS QUE SEMPRE PARTICIPAVAMOS NA CIDADE,COMO NO CASO DA FESTA DO BODE,FICRO E EXPOFRUT,MAS NÃO ACABA AI.SÓ ESTIVEMOS PRESENTES NESTES EVENTOS GRAÇAS A SOLIDÁRIEDADE DOS MONTADORES DAS FEIRAS E DE ALGUNS BENEMÉRITOS DA ASSOCIAÇÃO.ISSO É POUCO DIANTE DO DESCASO QUE VEM SENDO TRATADO OS ARTESÃOS MOSSOROENSES,AINDA EM 2OO9 DENTRO DA PROGRAMAÇÃO DO "CORREDOR CULTURAL DE MOSSORÓ" NOS COLOCARAM NO LARGO PORCINO COSTA,LONGE DO FOCO DE TODAS AS ATRAÇÕES DO CORREDOR,DEPOIS DE MUITAS REENVIDICAÇÕES NOS RELOCARAM PARA A LATERAL DA PRAÇA DA ESTAÇÃO DAS ARTES,FOI PIOR,E COM ISSO AS ARTESÃOS FICARAM DESISTIMULADOS E FORAM DEIXANDO DE PARTICIPAR DO EVENTO,ATÉ PORQUE A PRÓPRIA FUNGER SABE QUE A GRANDE MAIORIA DOS ARTESÃOS MORAM DISTANTE,E MUITAS VEZES NÃO VENDEM NEM PARA TIRAR OS GASTOS COM TRASNPORTE E ALIMENTAÇÃO,VEM PARA PARTICIPAR E MOSTRAR SUA ARTE AO POVO.DEPOIS QUE FICAMOS ENCURRALADOS POR UNS TRÊS OU QUATRO MESES NAQUELE BECO PRÓXIMO A ESTAÇÃO DAS ARTES,NOS LIMARAM DE VEZ DO CORREDOR CULTURAL,FICAMOS PRESENTES MESMO SÓ NA PROGRAMAÇÃO QUE ERA IMPRESSA MENSALMENTE,MAS FEIRA DE ARTESANATO,NADA! DEPOIS DE FICARMOS NA GELADEIRA POR APROXIMADAMENTE SEIS MESES FOMOS NOVAMENTE CONVIDADOS PARA O CORREDOR CULTURAL,MAS AI JÁ ERA TARDE,COMO FAZER PARA OS ARTESÃOS MOSSOROENSES ACREDITAREM QUE NÃO SERIÃO NOVAMENTE DESPEJADOS SEM AVISO PRÉVIO? HOJE ESSA É A REALIDADE DO CORREDOR CULTURAL EM SE TRATANDO DO ARTESANATO.E EM UM ATO ABSURDO DA ATUAL EQUIPE DA FUNGER,FOMOS CONVIDADOS NA ÚLTIMA QUINTA FEIRA 14/05 PARA UMA REUNIÃO SOBRE O EVENTO "MOSSORÓ CIDADE JUNINA 2010" ONDE NOS COMUNICARAM QUE SÓ PARTICIPARÍAMOS DO EVENTO MEDIANTE AO PAGAMENTO DE UMA TAXA A FUNGER NO VALOR DE R$80,00 PARA ARTESÃOS E R$120,00 COMIDAS TÍPICAS.ESSA FOI A GOTA D'AGUA QUE FALTAVA,SABEMOS QUE NO ANO PASSADO TEVE ARTESÃO QUE DURANTE TODOS OS DIAS DE FESTA,NÃO CONTABILIZOU MAIS QUE R$ 30,00.E O MELHOR É QUE A FUNGER TEM TODOS OS DADOS DESTAS FEIRAS.ENTÃO QUAL É A RAZÃO DESTA PERSEGUIÇÃO GRATUÍTA QUE VEM ACONTECENDO AOS ARTESAOS MOSSOROENSES DESDE 2009? DEIXANDO AQUI BEM CLARO,QUE NOSSO HORÁRIO NÃO É COMO OS DOS BARRAQUEIROS OU AMBULÂNTES,EXPOMOS NOSSOS PRODUTOS POR APENAS SEIS HORAS DURANTE UM DIA DE EVENTO DAS 17 AS 22 HORAS.